Tudo sobre Marketing e Empreendedorismo

Plano de Marketing: 11 passos simples para organizar as ações no seu negócio

O Plano de marketing é um dos itens essenciais para orientar as ações de um negócio. A partir dele, é possível ter uma previsão de gastos e do retorno que se espera no período. Então, vale a pena conhecer os passos de como estruturar esse projeto.

Guia Rápido

O que é um plano de marketing?

Este é um guia no qual uma marca define os objetivos para a área de Marketing, bem como, as ações que deve realizar. Em resumo, ele serve como base para toda a equipe se organizar nas tarefas. Para isso, leva em conta uma série de fatores, tais como:

  • Público-alvo;
  • Indicadores de vendas;
  • Pesquisas de mercado;
  • Análise da concorrência. 

Uma vez definidas as metas gerais que a empresa almeja atingir, é preciso saber os passos para alcançá-las. Aliás, um bom plano de marketing requer atenção às métricas a cada etapa, para ver como está a evolução.

Ferramenta de gestão de marketing

Com esse guia, é possível fazer a gestão de cada uma das etapas e ver os resultados. Assim, quando precisar, poderá ajustar alguma meta, com base nos dados obtidos. Portanto, ele deve ser flexível a mudanças ao longo do processo.

tablet com tela do Instagram aberta
O plano de marketing contém os objetivos e ações definidas para as ações do setor. Imagem de Pixabay no Pexels.

Por que você deve fazer um plano de marketing?

Fazer um projeto prévio ajuda a direcionar melhor os gastos. Desse modo, tudo o que será investido passa por uma análise, a fim de ter um melhor retorno. Isso contribui para uma boa saúde financeira da empresa. 

A partir disso, é preciso focar nos principais pontos críticos de um negócio. Ou seja, ele é feito de forma individual ao levar em conta os aspectos e o momento em que se encontra a atividade.

Funções do plano de marketing

Esse documento serve para ter uma visão estratégica do negócio. Por meio dele, se sabe quais são as atribuições de cada pessoa, bem como, o prazo para cada uma das tarefas. Por isso, ele auxilia na gestão das equipes e das metas individuais e coletivas.

Como criar um plano de marketing?

Ao criar o plano de marketing de uma empresa é preciso primeiro conhecer bem o perfil do cliente. Para isso, a criação de uma persona, ou seja, o avatar de um potencial consumidor pode ajudar a entender a demanda.

Entenda a relevância do seu negócio antes de criar um plano

Outro ponto crucial ao criar a estratégia é entender qual a posição da empresa no mercado. Um negócio novo, por exemplo, tem demandas diferentes de um que já existe há vários anos. 

Com isso, fica mais fácil definir se a meta é aumentar a carteira de clientes, ou reforçar a marca no mercado. Além disso, é essencial ter bem definida a solução que o produto entrega e os valores da empresa.

O plano de marketing é resultado de um processo

Cada uma das etapas desse plano vai influenciar no resultado final. Por isso, é preciso ter paciência, porque toda mudança leva algum tempo para surtir efeitos. Ainda assim, ao dividir os objetivos em pequenas metas dá para ver a evolução do projeto.

Envolver todos os colaboradores no plano

Além da área de Marketing, é importante ouvir também os demais setores de uma empresa. Afinal, a equipe de vendas, por exemplo, pode fornecer dados importantes sobre a realidade do negócio.

Isso vai ajudar a mapear pontos críticos da atividade e ajudar a entender como se comporta o cliente. Assim, é possível criar um plano mais eficaz, porque se adequa ao caso e dia a dia da empresa.

Quais os principais tipos de plano de marketing?

O plano de marketing pode ser mais amplo, ou seja, prever os objetivos principais ou com mais detalhes. Nesse sentido, de acordo com os objetivos, há alguns modelos mais comuns para criar esse tipo de guia, tais como:

  • Em níveis;
  • Por campanhas;
  • Estratégico.

Cada um dos formatos se aplica a um caso diferente, de acordo com o que se pretende atingir. Conforme o nível de detalhe, podem orientar o gestor da área ou servir como guia para as funções do dia a dia.

1 – O que é plano de marketing por níveis?

Nesse caso, o projeto se divide em três subníveis, cada um com um pouco mais de detalhes. O primeiro é o estratégico, no qual se definem as metas para o longo prazo. 

Em um um segundo patamar, se encontra o plano tático, que prevê as ações para alcançar os objetivos. Nele podem constar, por exemplo, as campanhas, eventos e canais por meio dos quais a empresa vai colocar em prática a estratégia de marketing.

Operacional

No último nível, ficam as tarefas menores que compõem cada uma das ações. Assim, elas orientam cada pessoa da equipe sobre o que deve fazer e o prazo para finalizar. Podem fazer parte dessa etapa, por exemplo:

  • Fornecedores;
  • Orçamento de anúncios;
  • Contratação de influencers;
  • Programação de postagens.

Com esses detalhes, cada um sabe de forma clara o que fazer e o que entregar. Também fica mais fácil seguir um cronograma sobre cada tarefa e ver o que está em dia ou não.

2 – Como é o plano de marketing estratégico?

O plano de marketing estratégico traz os objetivos de longo prazo que a empresa espera alcançar. Ou seja, define de forma mais ampla as principais frentes nas quais a equipe vai atuar. 

Um ponto importante é que as metas devem ser realistas, de acordo com o tipo de negócio. Também é essencial que se defina um período para o cumprimento, a fim de fazer a análise posterior.

Exemplos de planos de marketing estratégicos

Na criação de um plano para as ações de marketing de uma empresa, o primeiro passo é fazer um diagnóstico da atividade. Por isso, ele deve conter alguns tópicos básicos, e a seguir as medidas propostas para mudança:

  • Análise de resultados;
  • Indicação de pontos críticos;
  • Expectativas para o período seguinte;
  • Ações planejadas;
  • Orçamento definido.

Com isso, o planejamento pode ter como meta superar em 50% a receita das vendas do período anterior. Para isso, define que será investido o valor de R$ 10 mil para promoção de anúncios a fim de atrair mais clientes.

Análise a estratégia adequada para o seu negócio

Cada empresa pode adotar a estratégia de marketing que faça mais sentido para o seu ramo. Assim, pode optar pela criação de conteúdo nas mídias digitais, ou ainda no uso de e-mail marketing

pessoas analisando relatórios com vários gráficos
O plano de marketing estratégico define as principais metas para o setor. Imagem de RODNAE Productions no Pexels

3 – Como fazer plano de marketing por campanhas?

As campanhas de Marketing são ações sazonais, ou seja, realizadas por um certo período. Assim, elas são uma parcela menor dentro do plano estratégico previsto naquele período.

Relação dos planos estratégico e tático

O nível estratégico prevê o macro, ou seja, os objetivos e metas de longo prazo. Já o plano tático visa as ações segmentadas para atingir aquilo que foi descrito. As campanhas, por sua vez, se encontram no nível operacional. 

Datas comemorativas na estratégia de marketing

Um exemplo desse tipo de iniciativa são as ações de dias das mães, dos pais e black friday. São campanhas realizadas em um determinado período do ano, que visam aumentar as vendas, atreladas a uma comemoração ou evento.

Quais são as etapas do plano de marketing?

Para chegar a um plano de marketing completo, é preciso seguir um fluxo organizado. Assim, é possível passar pelos principais pontos e definir uma estratégia consistente, que se baseia em dados. Em resumo, pode se elencar onze passos para isso:

  1. Diagnóstico da empresa;
  2. Conhecer o ambiente de negócios;
  3. Análise da concorrência;
  4. Público-alvo;
  5. Definição do posicionamento da marca;
  6. Objetivos e metas;
  7. Métricas utilizadas para análise;
  8. Escolha da estratégia;
  9. Orçamento;
  10. Cronograma;
  11. Estruturar o plano.

Ao final dessas etapas, o negócio terá um planejamento estruturado e adequado à sua realidade. Então, será o momento de colocar em prática o que ficou definido e acompanhar a execução.

Cumpra a sequência das etapas do plano

Observar essa ordem de passos ajuda a não deixar nenhum item importante de lado. Além disso, se uma empresa primeiro define o orçamento sem ao menos saber quais ações vai implantar, pode gastar mais do que precisa.

Passo 1 – como fazer o diagnóstico da empresa para o plano de marketing?

O primeiro passo para criar um plano de marketing é ter uma ideia geral de como anda o negócio. Assim, o ideal é mapear os principais aspectos da empresa, dentre os quais:

  • Receita de vendas;
  • Número de colaboradores;
  • Volume de clientes;
  • Ticket médio das compras.

O objetivo desse levantamento é identificar os potenciais para crescimento da empresa. Também, por outro lado, permite saber quais são os pontos críticos, que podem impedir o alcance dos objetivos.

Use análise SWOT no plano

Esse é um dos métodos para uma análise objetiva do estado do negócio. A sigla é a redução de quatro palavras: Strengths (forças), Weaknesses (fraquezas), Opportunities (oportunidades) e Threats (ameaças).

Os quatro aspectos se dividem dois grupos. Os fatores internos são aqueles ligados à própria empresa, ou seja, suas forças e fraquezas. Já os externos se relacionam com o mercado, com suas oportunidades e ameaças.

Plano adequado à realidade e orçamento da empresa

A partir dessa análise é possível iniciar um plano voltado a melhorar o negócio como um todo. Ou seja, ao saber de forma exata quais são os pontos positivos, negativos e os possíveis riscos à empresa, fica mais fácil definir uma estratégia.

Passo 2 – qual a melhor forma de analisar o ambiente de negócios?

Nesse passo, a ideia é fazer uma análise dos fatores externos que impactam na atividade da empresa. É preciso conhecer o mercado, bem como, as tendências que possam mudar a forma de consumo em um futuro próximo.

Principais ambientes do plano de marketing

Ao criar um plano de marketing é preciso levar em conta os ambientes a um nível macro e micro. Em um alcance maior, estão situações que impactam todo o país como, por exemplo:

  • População;
  • Economia;
  • Tecnologia;
  • Cultura e política. 

Esses são os grandes movimentos que podem gerar oscilações no mercado. Por isso, são fatores importantes para compor o contexto em que se insere o negócio. Já a micro análise leva em conta uma relação mais direta com os clientes e concorrência.

5 forças de Porter no plano de marketing

Este é um recorte do mercado, que visa analisar as principais forças que incidem sobre a atividade de uma empresa. Em resumo, considera a relação com os concorrentes, bem como:

  • Negociação com clientes;
  • Tratativas com fornecedores;
  • Competição com novos produtos;
  • Risco de apresentado por substitutos.

A soma de todos esses fatores pode influenciar a competitividade do negócio. Assim, quanto mais fracas, mais potencial de crescimento a empresa tem. Do contrário, podem acabar por sufocar a atividade.

Passo 3 – análise de concorrência para o plano de marketing

Esse é um passo importante dentro do plano de marketing, porque permite saber se o seu produto é competitivo. Além disso, pode trazer novas ideias para as estratégias da empresa, que ainda não tinham sido pensadas.

Tal medida também pode indicar tendências que não deram um bom retorno. Por exemplo, um conteúdo viral que não deu o resultado esperado. Assim, pode-se evitar investir em algo que não vale a pena.

Ferramenta de inteligência competitiva para o plano

Existem algumas automações que são capazes de fazer uma análise de sites concorrentes e retornar as novidades. Ao inserir uma palavra-chave ou domínio web, essas ferramentas podem trazer várias informações, como:

  • Volume de buscas;
  • Principais canais de interação;
  • Relevância da sua marca na comparação com os rivais. 

Entre as opções para fazer essas buscas estão o Google Alertas, Sem Rush e o SimilarWeb, por exemplo. Esta é uma forma rápida e prática de ficar sempre por dentro das novidades dentro do seu nicho de negócio.

pessoas sentadas em uma mesa de reunião, enquanto um homem está de pé
Um dos passos para criar um plano de marketing é fazer um diagnóstico da empresa. Imagem de Kindel Media

Passo 4 – como definir o público e personas do seu plano de marketing?

O público-alvo de uma empresa pode ser definido a partir de algumas características comuns de seus clientes. Assim, ao analisar os padrões entre as pessoas que compram o produto, é possível saber alguns detalhes:

  • Gênero;
  • Faixa etária;
  • Renda média;
  • Classe social;
  • Região.

Já a persona é uma criação fictícia, que usa como base esses itens, mas aprofunda o nível de detalhes. Desse modo, cria-se um personagem que identifica o perfil de um cliente ideal para o seu produto.

Entenda a dor dos seus clientes e use no plano

Tais ferramentas têm como função entender as dores do cliente. Ou seja, a ideia é compreender o que leva a pessoa a buscar a solução que você oferece. Com isso, fica mais fácil atender a essa demanda.

Plano com foco em atendimento humanizado

Ao tratar o consumidor como um indivíduo e não como mais um número, é possível se conectar melhor, e entender suas expectativas. Isso resulta em uma marca com maior identificação entre seus clientes. 

De modo natural, leva a melhores resultados nas vendas, bem como, a um público fiel. Portanto, é uma boa estratégia para reter os clientes, que buscam por um atendimento personalizado.

Passo 5 – crie um posicionamento na estratégia de marketing

O plano de marketing deve estar de acordo com o posicionamento da marca. Esse conceito abarca o conjunto de elementos visuais, bem como, de valores, que fazem com que o público reconheça uma empresa.

Quando se tem uma marca forte, ela é capaz de ser lembrada por uma única cor ou símbolo que a representa. Isso porque, esses itens ficam marcados de forma inconsciente na memória das pessoas.

Imagem que a sua marca quer passar aos clientes

Cada item que compõe o branding de uma empresa transmite alguma sensação ou sentimento. Por isso, é preciso pensar de forma estratégica para que se passe a mensagem correta, como por exemplo:

  • Modernidade;
  • Seriedade;
  • Conforto;
  • Acolhimento;
  • Proximidade.

Isso deve refletir em todas as comunicações da empresa, seja qual for o canal. Assim, se quer trazer um conceito mais moderno e informar, deve adotar uma linguagem adequada. Por outro lado, para passar mais seriedade, pode usar cores sóbrias e termos mais formais.

Passo 6 – quais os objetivos do plano de marketing?

A partir da análise da empresa, do mercado e do público, é hora de definir os objetivos futuros. Nesse sentido, é o momento em que se projeta o que se espera atingir em um período, seja de meses ou anos.

Essas metas devem ser realistas, ou seja, possíveis de serem alcançadas. Do contrário, fica muito difícil criar um planejamento para as tarefas menores a serem cumpridas ao longo do tempo.

Metodologia SMART na estratégia de marketing

O método SMART é um recurso que torna mais fácil essa parte do plano de marketing. De acordo com essa técnica, os objetivos delineados têm que atender a cinco critérios básicos, que são:

  • Serem específicos;
  • Mensuráveis, ou seja, possíveis de medir;
  • Atingíveis e realistas;
  • Com prazo. 

Seguir essa metodologia faz com que as metas se tornem mais concretas. Logo, fica mais fácil de buscar os resultados necessários. Portanto, ao invés de estabelecer apenas um aumento nas vendas, substitua por ampliar 100% nas receitas dentro de um ano.

Passo 7 – qual a melhor forma de definir as KPIs da sua estratégia?

Os KPIs são indicadores de desempenho de uma estratégia, que têm relação direta com os objetivos definidos. Assim, confira a seguir alguns exemplos dessas métricas, tais como:

  • Número de visitantes em uma página;
  • Taxa de conversão de anúncios;
  • Receita de vendas;
  • Assinantes de uma newsletter;
  • Volume de leads e custo de aquisição.

Para definir quais desses KPIs utilizar, é preciso entender quais têm relação com o seu plano de marketing. Desse modo, se o objetivo principal é dar mais visibilidade à marca, o fluxo de pessoas na página é um número interessante.

O que são indicadores sucesso no plano de marketing

Todas as métricas obtidas a partir de ferramentas para análise que estejam relacionadas às metas podem servir como indicadores. Fazer a gestão desses números de forma periódica permite acompanhar o desempenho das ações. 

Diante disso, se faz necessário analisar e avaliar esses índices, para ver se é preciso fazer algum ajuste. Com isso, ao longo da execução, dá para mudar algum ponto que não tenha o retorno esperado.

pessoas sentadas em uma mesa grande de reunião, analisando uma série de relatórios espalhados
O plano de marketing deve conter os objetivos e os indicadores para acompanhar os resultados. Imagem de Kindel Media

Passo 8 – trace estratégias de marketing de forma inteligente

Ao criar um planejamento, é essencial que as estratégias de marketing sejam adequadas aos seus objetivos. Isso quer dizer que é necessário entender qual o papel das principais ferramentas para poder definir qual usar a cada momento. 

Para obter mais leads, por exemplo, é possível investir em uma boa landing page, com iscas digitais, como e-books ou materiais extras. Oferecer bons conteúdos também pode levar o leitor a se cadastrar para receber sua newsletter.

4 Ps do Marketing na sua estratégia

Preço, produto, praça e promoção são os quatro Ps que dão rumo às táticas dentro do plano de marketing. O primeiro tem relação com o custo para produção, que vai impactar no valor de venda. 

Já o produto deve ser bem definido, para que se saiba a solução ofertada. A praça, por sua vez, se relaciona ao modo como é colocado à venda, se no meio físico ou digital. Por fim, a promoção se refere aos canais de divulgação, para que o cliente o conheça.

Variações do mix de marketing na sua estratégia

O mix de marketing se refere à combinação desses quatro pilares dentro da estratégia. Afinal, é preciso atender a esses itens para que a atividade seja viável. Entre esses aspectos, o da promoção é o que apresenta maior variação. 

Ele pode ser relevante em ações pontuais, em que se oferecem condições especiais para adquirir o produto. Mas, sempre deve estar alinhado ao preço, para não haver prejuízos financeiros.

Passo 9 – como calcular recursos e o orçamento do seu plano de marketing?

Dentro do plano de marketing é preciso definir um orçamento para o período projetado. Nele, é preciso prever os gastos recorrentes, como despesas com equipe e estrutura. Também é necessário incluir os investimentos que se pretende fazer, tais como:

  • Anúncios pagos;
  • Publicidade em mídias diversas;
  • Gastos com campanhas,como fotos, impressões;
  • Verbas para eventos;
  • Parcerias com influencers ou celebridades.

Com um limite de gastos é possível definir quais estratégias cabem dentro do valor. Com isso, se faz uma gestão mais eficiente dos recursos, uma vez que fica pré-definido o custo para cada uma das etapas.

Faça gastos estratégicos no seu plano

É importante selecionar quais as prioridades dentro do planejamento para definir onde investir os recursos. Ao invés de gastar em anúncios de início, vale tentar captar leads mais qualificados, por exemplo. 

A partir disso, dá para direcionar campanhas por e-mail, que podem dar um retorno maior. Portanto, é preciso pensar bem nos recursos que dispõe antes de iniciar um investimento.

Passo 10 – crie um cronograma para executar sua estratégia

Um plano de marketing é definido para um certo período. Por isso, cada uma das etapas deve prever também um prazo para execução. Assim, é possível dividir os objetivos em pequenas parcelas para colocar em prática.

Caso defina um objetivo com prazo anual, por exemplo, pode dividir as ações para serem executadas a cada bimestre. Na sequência, as metas menores dentro de cada ação podem ser semanais ou quinzenais.

Delegue responsáveis por cada etapa da estratégia

Para além do plano estratégico, as ações táticas e operacionais devem ter a indicação do responsável. Desse modo, se cria uma responsabilidade individual e cada pessoa tem a noção de seu papel dentro do projeto.

A partir disso, em caso de um atraso no cronograma, é mais simples identificar onde está o problema. Contudo, como são tarefas interligadas, não dispensam o diálogo entre todos os membros, para que trabalhem em sintonia.

Passo 11 – como elaborar o plano de marketing?

Cumpridas todas as etapas do planejamento de marketing, é o momento de estruturar o projeto. Isso pode ser feito da forma como a equipe se adapte melhor, por meio de dashboards, por exemplo, para ficar visível a todos.

Ter um painel com as principais metas também serve como reforço visual. Desse modo, também pode-se reproduzir um cronograma e marcar as fases já concluídas. Isso torna mais fácil, inclusive, quando for fazer uma reunião sobre a evolução do plano.

Estrutura do plano de marketing

Outro modo de organizar é em um documento único, que reúna todos os tópicos de forma linear. Assim, facilita a consulta e o acesso aos dados que levaram à estratégia. Em resumo, pode seguir uma sequência básica entre:

  • Sumário;
  • Objetivos;
  • Dados analisados;
  • Ambiente de negócios;
  • Oportunidades e riscos;
  • Metas de longo prazo;
  • Ações previstas;
  • Cronograma;
  • KPIs;
  • Orçamento.

Ao detalhar cada ponto do plano, é preciso cuidar para que o texto não fique muito extenso. Afinal, o objetivo é que esse material sirva para uma consulta rápida ao longo das etapas. Por isso, é preciso que seja direto e claro nas ações e atribuições de cada membro.

Como identificar as melhores estratégias para o seu plano de marketing?

Entre as diversas estratégias de marketing que existem, é preciso levar em conta quais se adaptam melhor aos seus objetivos. Entre as principais opções para colocar em prática no seu negócio estão:

  • Inbound e Outbound Marketing;
  • Criação de conteúdo;
  • Relacionamento com o cliente;
  • Branding;
  • Retenção;
  • Marketing digital e marketing de influência;
  • Interatividade;
  • Redes sociais.

É possível combinar mais de uma técnica dentro do seu plano de marketing. Inclusive, essa é uma boa forma de ampliar o alcance, ao focar em meios de atrair tráfego orgânico e pago ao mesmo tempo.

Como definir os objetivos de marketing do seu negócio

Os objetivos de marketing devem constar no planejamento da empresa. Cada um deles é um passo para atingir as metas gerais definidas, que podem ser o fortalecimento da marca, ou aumento nas vendas, por exemplo.

Use canais diversos na sua estratégia

Em cada tipo de mídia, é possível ter contato com um perfil de pessoa diferente. Assim, redes sociais e de compartilhamento de vídeos tendem a ter um público mais jovem. Já no LinkedIn, pode-se atingir pessoas mais maduras e com nível acadêmico. 

Ampliar a presença digital em vários campos pode fazer com que a marca alcance um novo grupo de pessoas. Mas, é preciso adequar a linguagem para cada formato, para que se tenha um bom retorno.

pessoa sentada trabalhando, analisando relatório e usando o laptop
No plano de marketing ficam definidas as estratégias escolhidas para atingir os objetivos. Imagem de Vanessa Garcia no Pexels.

1 – O que é inbound marketing?

Também chamado de marketing de atração, essa estratégia tem como foco atrair potenciais clientes para o seu conteúdo. Nesse sentido, ele faz o movimento inverso da publicidade tradicional, que era exposta de forma ampla a todas as pessoas.

Nesse formato, se usam estratégias de otimização para que as pesquisas online direcionem as pessoas com interesses comuns à sua página. Com isso, quem chega ao seu conteúdo está em busca de algo relacionado.

Como usar na sua estratégia de marketing

Dentro de um plano de marketing, esse recurso está ligado de forma direta à criação de conteúdo. Assim, atuam de modo conjunto, ao atrair pessoas que buscam por assuntos relacionados e oferecer informação sobre o tema.

Com isso, ele é o responsável por trazer mais pessoas para o seu site. Então, entram em voga as demais ações para que o usuário permaneça e venha a consumir os produtos ou serviços que oferece.

2 – Como usar o outbound marketing no seu plano?

O Outbound Marketing, por sua vez, é a busca ativa de clientes, por meio de anúncios e prospecção direta. Mas, diferente do que se fazia no início, hoje há ferramentas que permitem selecionar quem abordar. 

A partir da inteligência artificial e softwares de pesquisa, é possível segmentar um público-alvo. Com isso, tem-se uma chance maior de êxito ao oferecer a solução a um potencial cliente.

Como conciliar inbound e outbound marketing

As duas técnicas se complementam, ao passo que atuam em níveis diferentes de consciência do cliente. O Inbound Marketing funciona bem para aqueles que já estão em busca de algo relacionado.

Por outro lado, há muitas pessoas que podem se beneficiar de uma solução, mas ainda não se deram conta. Desse modo, o Outbound faz essa apresentação do produto àqueles que estão dentro do perfil de consumo.

O que é jornada de compra e como funciona na sua estratégia

A jornada do cliente abrange os passos que a pessoa leva desde a descoberta do produto até a compra. Em geral, se divide entre topo, meio e fundo de funil, no formato de uma pirâmide invertida. 

No primeiro nível, o possível cliente descobre a solução. Em um momento posterior, passa a compreender como aquilo pode resolver um problema ou trazer uma melhoria. Enfim, ao chegar ao fundo do funil, está pronto para a fechar a compra.

3 – Marketing de conteúdo como um dos pilares do inbound

A criação de conteúdo é uma das principais estratégias em um plano de marketing. Ela tem ligação direta com o Inbound, uma vez que este é responsável por atrair visitantes. Contudo, quem acessa uma página espera encontrar algo útil dentro do tema. 

Para que surta o efeito esperado, é preciso que se traga um conteúdo informativo, que agregue algo de novo ao espectador. Entre os formatos que podem ser utilizados dentro dessa técnica estão:

  • Textos;
  • Infográficos;
  • Vídeos;
  • Webséries;
  • Podcasts.

A depender do tipo de plataforma escolhida, não é preciso ficar limitado a conteúdos escritos. Assim, é possível atingir diferentes tipos de perfis, de acordo com o público-alvo que se espera.

Produção constante

Uma das demandas nessa estratégia é sempre trazer algo novo. Afinal, para que o usuário se mantenha em uma página, precisa encontrar variedade de conteúdos. Por isso, aproveite para explorar temas conexos ao principal. 

4 – O que é marketing de relacionamento?

O marketing de relacionamento tem como objetivo criar um vínculo com o cliente. Nesse sentido, se estabelece uma relação duradoura, na qual o consumidor se identifica com a marca. 

Com isso, além de se tornar um consumidor fiel, ele também auxilia na promoção da empresa. Isso porque, tem maior chance de indicar a terceiros ou mesmo compartilhar seus conteúdos.

Como funciona no seu plano de marketing

Dentro de uma estratégia de marketing, esse conceito ajuda a aumentar o LTV. Esse termo significa LifeTime Value e indica o valor agregado que um cliente gera ao longo de sua relação com a marca.

Quando existe essa relação de confiança, o consumidor tende a permanecer por mais tempo. Com isso, aumenta o retorno que ele dá à empresa, ao passo que se torna um cliente fiel.

5 – Como usar o marketing de retenção no seu plano de marketing?

Reter o cliente é uma forma de manter uma receita recorrente ao longo do tempo. Afinal, guiar o consumidor ao longo do funil de vendas é difícil. Por isso, é preciso fazer o máximo para manter essa pessoa em sua carteira. 

Investir no atendimento, sobretudo no pós-venda é uma das formas de fazer isso. Aliás, essa é uma forma do cliente se sentir valorizado, sobretudo quando tem suas opiniões levadas em conta.

Taxa de churn, uma métrica da estratégia de marketing

Essa métrica visa obter o percentual de clientes perdidos em um período. Para calcular, divide-se o número de pessoas que cancelaram o serviço, pelo de novos assinantes no início do período. Por fim, multiplica-se o resultado por cem.

Quando o resultado é muito alto, indica uma alta rotatividade. Portanto, é um sinal de que é preciso trabalhar a retenção, para reduzir o custo de aquisição de clientes. Também, vai agregar à receita mensal da empresa e ajudar a ter um crescimento regular.

mulher ruiva em pé, escrevendo em um quadro cheio de post-its
A criação de conteúdo é uma das estratégias em um plano de marketing. Imagem de Alena Darmel no Pexels.

6 – O que é branding?

Esse termo traduz o conjunto de elementos ligados à gestão de marca de uma empresa. Nele se incluem itens visuais como cores, slogan, logotipos, bem como, elementos abstratos como os valores e o conceito. 

Como fidelizar os clientes na sua estratégia

Dentro do plano de marketing, essa pode ser uma boa forma de manter os clientes fiéis. Isso porque, quando bem pensada, uma marca pode remeter a sensações e emoções que geram identificação no espectador. 

Com isso, ainda que de forma inconsciente, a empresa ganha mais adeptos. É o que ocorre, por exemplo, com marcas como a Coca Cola. Ela traz uma mensagem implícita de amizade e momentos em família, que se somam à experiência do sabor.

Estratégias de fidelização para o seu plano

Valores como receptividade, portanto, podem fazer com que um negócio suba no conceito dos consumidores. Além disso, uma marca forte é lembrada por pequenos detalhes, como uma cor ou desenho. 

Para que essa memória seja positiva, é preciso que o branding seja levado em conjunto com as demais estratégias. Por isso, deve-se priorizar a experiência do cliente ao longo de todo o processo.

7 – Como funciona o marketing de influência?

Essa modalidade se utiliza de parcerias com blogueiros e influenciadores para promoção da marca. O objetivo é alcançar um público dentro de um nicho específico, e que já possui uma conexão com aquela pessoa. 

Faça parcerias e potencialize a sua estratégia de marketing

Com essa ferramenta em um plano de marketing é possível ampliar sua rede de potenciais clientes. Mas, é preciso ter alguns cuidados ao selecionar quem vai promover o seu produto, como:

  • Ver se há conexão entre o público e seu perfil de clientes;
  • Solicitar dados sobre as interações com os seguidores daquele influenciador;
  • Delimitar a forma de exposição, período e métricas para os resultados.

A partir desses itens é possível aproveitar melhor esse recurso e obter bons resultados para o seu negócio. Aliás, esse formato ganhou espaço com a expansão das redes sociais e o grande número de criadores de conteúdo.

Faça os seus clientes divulgarem a sua marca

Outra forma de alcançar uma maior exposição da marca é por meio dos próprios clientes. Quando se estabelece um relacionamento isso fica muito mais fácil. Por isso, é importante investir em ferramentas de interação com os usuários.

Estimule a criação de uma comunidade em torno de sua marca. Uma das formas de fazer isso é usar hashtags que identificam a marca ou o produto. Assim, ao ser marcado pelo usuário é possível localizar as menções.

8 – A relação entre marketing interativo e o plano de marketing

Nessa opção, o foco está em estimular a participação do usuário. Isso pode ocorrer, por exemplo, por meio de testes, formulários ou jogos. Uma das funções é poder coletar dados que ajudem a entender melhor o público.

Outro modo interessante de colocar esse recurso em prática é por meio de enquetes. Por exemplo, pode-se lançar uma votação para escolha do nome do novo produto, ou para saber as cores da nova coleção.

Inovação na forma de comunicação da sua estratégia

Também é um meio de interagir de uma forma diferente com o espectador. Ao invés de apenas apresentar informações, lidas de forma passiva, ele tem a chance de contribuir com a criação do conteúdo.

Ao se sentir parte do processo, o cliente cria uma conexão mais próxima com a marca. Isso melhora a percepção perante o público, bem como, ativa o gatilho da reciprocidade. Ou seja, há uma troca entre as duas partes.

9 – Qual a melhor forma de usar marketing em redes sociais na sua estratégia?

As redes sociais se tornaram um dos principais canais para promoção de conteúdo. Cada plataforma tem um formato próprio, mas em comum, elas têm um maior apelo visual. Por isso, o ideal é investir em conteúdos mais atrativos, tais como:

  • Vídeos curtos, com conteúdo simplificado;
  • Memes, ou seja, peças de humor ligadas ao seu nicho;
  • Infográficos, com informações simplificadas. 

Aproveitar assuntos em alta no momento também pode ser uma boa forma de criar conteúdo. Como essas tendências virais são passageiras, é preciso estar sempre atento ao que ocorre para não perder o momento.

Como chamar a atenção do público com o seu plano de marketing

Nesse tipo de formato, é essencial investir em uma linguagem mais direta. Afinal, são conteúdos muito dinâmicos e que a pessoa consome de forma muito rápida, ao deslizar a tela. Por isso, é preciso chamar a atenção nos primeiros segundos de exibição.

Para as imagens estáticas, uma boa forma de fazer isso é usar um contraste maior, para ter mais destaque. Já no caso de conteúdos em vídeo, é preciso criar uma narrativa envolvente, para evitar que a pessoa deixe de assistir.

O que fazer para colocar o plano de marketing em prática?

Uma vez definidas as metas e ações principais do plano de marketing, é preciso detalhar as pequenas tarefas. Assim, dá para atribuir a cada membro da equipe aquilo que deve fazer, com a indicação dos prazos.

O que não pode faltar no seu plano de marketing

É muito importante que haja um acompanhamento de cada etapa do processo. Desse modo, é possível medir os resultados parciais e quando o caso se ajusta em algum ponto. Afinal, todo o esquema deve ser flexível para que se adapte às respostas do mercado.

Agile Marketing na sua estratégia

Esse conceito traz a metodologia ágil aplicada a diversos projetos para as ações de Marketing. A ideia é dividir as tarefas em pequenos ciclos, para que sejam colocados em prática de forma rápida. 

Com isso, os resultados também são medidos em períodos mais curtos. Isso acelera o tempo de resposta quando é preciso fazer algum tipo de ajuste no planejamento inicial. Tudo é revisto ao final de cada etapa, para evitar descobrir erros futuros.

pessoas diversas sentadas em uma mesa de reunião, discutindo sobre um assunto, enquanto uma delas está de pé
O plano de marketing pode se dividir em ações e tarefas menores para atribuir as funções de cada membro. Imagem de Anna Shvets no Pexels.

Alguns exemplos de plano de marketing de sucesso

Certas marcas conhecidas do público são ótimos exemplos de como um plano de marketing pode render bons resultados. Então, confira a seguir alguns dos destaques nesse quesito.

Coca Cola

A empresa de refrigerantes possui um branding inconfundível, que a destaca entre as rivais. Além disso, suas peças publicitárias, mesmo sem qualquer texto, conseguem remeter a ideais como amizade, família e felicidade.

Chili Beans

A marca de óculos aposta em coleções diferenciadas, bem como, parcerias com celebridades. Com isso, consegue gerar identificação com os clientes. Também passou a explorar outros tipos de produtos, como tênis e camisetas.

Spotify

O streaming tem uma proposta de personalizar a experiência do cliente. Por isso, traz recursos para criação de playlists formadas a partir das preferências do usuário.

O que é proposta de valor no plano de marketing?

A proposta de valor é a apresentação, de forma clara, das razões que devem levar o cliente a comprar o produto. Ou seja, ela mostra porque aquele item é relevante para o seu público-alvo. Por isso, ela deve conter alguns itens básicos:

  • Explicação sobre o produto;
  • Os benefícios específicos que ele traz;
  • Por fim, seu diferencial frente aos concorrentes.

Para chegar a esses pontos, é preciso conhecer a fundo a solução que oferece. Assim, fica mais fácil convencer o cliente a optar pelo seu produto. Ela também deve ser pensada para atingir as dores do seu público-alvo.

Exemplos de proposta de valor

No geral, esse item é visto na página inicial ou na apresentação do produto. Em poucas linhas, consta a função do item, benefícios como frete grátis, ou cashback, conforme o nicho. 

Ao final, há uma indicação ao perfil do cliente. Por exemplo, o WordPress se destina a quem quer ter um blog ou site de negócios. Aliás, ele se destaca como a plataforma mais popular na web.

Siga o passo a passo e crie o plano de marketing do seu negócio

A partir de alguns passos simples, uma empresa pode ter um plano de marketing estruturado para guiar suas ações. Essa ferramenta não é exclusiva de grandes companhias.

Pelo contrário, mesmo os pequenos negócios devem começar a colocar em prática essa organização. De fato, isso vai ajudar a crescer de forma ainda mais rápida e ampliar seu alcance no mercado.

Mantenha um acompanhamento

Analisar as métricas de forma periódica ajuda a ter uma noção de como está a evolução. Assim, será possível saber se tudo está conforme o cronograma ou se será preciso algum ajuste.

Seja o primeiro a ser notificado, sempre que um novo artigo ser publicado

Deixe uma resposta

Usamos cookies para melhorar sua experiência neste site. Ao continuar no site, você concorda com essas condições. Sim Mais detalhes